espaço que alicia o pensamento, particularmente o perverso
18
Jan 05
publicado por rogerio, às 15:40link do post | comentar
Partia rumo a lugar nenhum, quando de repente encontrei alguém que procurava sem no entanto querer encontrar. Passei despercebido por ela e lancei-lhe um olhar intimista e altamente provocador…A sua face reagiu com uma expressão que não sei bem o que queria dizer…nem sei se queria dizer alguma coisa…continuei perdido entre um desejo puramente egocêntrico e fugaz, e um outro, mais idealista e autêntico.
…Como se por magia do acaso, no dia seguinte, volto a encontrá-la no mesmo lugar e á mesma hora, e os nossos olhares voltam-se a encontrar. Desta vez parece que algo se começa a delinear. O seu olhar deixa-me petrificado e acabo por não conseguir controlar humanamente as minhas emoções…rapidamente continuo a avançar para lugar nenhum, mas agora caminho com certezas…Passei ao lado de um grande amor ou provavelmente terei amado alguém naquele momento em que os nossos olhares tão indiscretamente se cruzaram. A nossa relação acaba por ser perfeita e efémera, como todas as relações ideais que se prezam. Deixei de ter dúvidas em relação ao seu amor, mas acabaram invariavelmente por surgir dúvidas em relação à minha atitude…dúvidas…dúvidas e mais dúvidas…
Parto sempre com as mesmas dúvidas, mas acabo finalmente por achar que para encontrar um caminho é tão só preciso percorrê-lo…dou-me de repente a pensar como um filósofo vulgar, entregue pura e simplesmente ás suas teorias e praticamente preso aos seus princípios…Detesto ser um Homem de princípios, estandardizados, coerente e demasiado teórico! Para esses, as situações banais resumem-se quase sempre a grandes dissertações filosóficas, quase sempre inquietantes e exageradamente intelectualizadas. Como se tudo pudesse ser explicado com longas dissertações e pensamentos…
…Entrego-me a um silêncio quase mórbido e sinistro e deixo de pensar no que quer que seja…acabo naturalmente por chegar a conclusões óbvias e reveladoras…
Da terceira vez que passo por ela, inexplicadamente, deixo de sentir o que sentia, mas continuo a pensar naquela troca de olhares tão simples e sublime…como se a seta de um cupido qualquer me tivesse acertado em cheio, mas depois outra seta vinda na mesma direcção neutralizasse os efeitos da primeira. Se calhar é possível amar alguém num momento e detestar esse alguém para todo o sempre, mas ainda assim prefiro pensar que “o amor é eterno enquanto dura”…


FIM


Espaço de comentários viciados:

“Paixão? Que sentimento mais estranho e terrivelmente assustador. Amor à primeira vista? Pois…pois…como se isso fosse possível!”

(comentário do cidadão intelectualmente superior)


“Se não fizeres o que tens a fazer mais cedo, acabarás por te tornar demasiado velho para aquilo que tens a fazer. Pensem…eu não sou obrigado a explicar tudo! Nem é esse o meu objectivo…Mesmo assim acho que foi um bom filme! Nota 10 para a exibição de Clooney!”

Pequeno excerto de 'Ocean’s Twelve':

Danny Ocean: Do I look 50 to you?
Basher Tarr: Yes.
Danny Ocean: Really???
Basher Tarr: Well... from the neck up.

(comentário do crítico de cinema extremamente atento a tudo o que se pareça com um filme)



“Hey! ‘O amor é eterno enquanto dura’ é uma frase de Vinicius Moraes! Quem te deu o direito de utilizá-la no teu artigo?”

(comentário de um analista dos direitos de autor extremamente picuinhas e preocupado com a saúde da literatura)



"Momento é por difinição um instante irrepetível"(palavras de Pedro Abrunhosa).Mas afinal o que nos impedide de os tornar eternamente repetíveis!?Nada...basta querermos de Alma e Coração!Como? Com muita persistência,dedicação e amor!E jamais abrir mão de arriscar!"Sinal de maturidade humana é aceitar o desafio do sofrimento"(Jacques Maritain.Adorei a história!Força
Margarida a 24 de Janeiro de 2005 às 00:17

Algumas considerações:

Quanto à história: ai, ai (em tom suspirante). Faltou o comentário da garotinha romântica que ainda acredita nessas coisas bobas de que trata o texto. Confesso: peguei-me suspirando...;

Quanto ao crítico de cinema: provavelmente novato, o que explica a extremada atenção e a nota 10 a Cooney (se for o George);

Quanto ao analista de direitos autorais, não parece tão preocupado com a saúde da literatura assim, já que errou a grafia do nome do poeta: Vinícius DE Moraes, é o correto. No mais, esse trecho já foi tão citado que é de domínio público.

O texto é ótimo! Muito bonito! Parabéns!
Karinassa a 19 de Janeiro de 2005 às 14:36

Para ti
anjo a 19 de Janeiro de 2005 às 13:26

interessante de facto... olha ja me ta a doer a cabeça...
power girl in action a 19 de Janeiro de 2005 às 10:25

Eu quero continuar a ser eternamente menina
olhos a 19 de Janeiro de 2005 às 08:52

"O quadro do amor é eterno foi vendido e tu sabes
bem"
olhos a 19 de Janeiro de 2005 às 08:03

provocador, contraditório, e outras coisas, assim deve ser o amor para não morrer de pasmaceira. Este de k nos falas hoje foi "perfeito" e eterno enquanto durou,..., nos olhares e pensamento. Bj
GPandora a 18 de Janeiro de 2005 às 19:52

provocador, contraditório, e outras coisas, assim deve ser o amor para não morrer de pasmaceira. Este de k nos falas hoje foi "perfeito" e eterno enquanto durou,..., nos olhares e pensamento. Bj
GPandora a 18 de Janeiro de 2005 às 19:52

O amor pode durar apenas um instantinho! Olha repara quando se dá uma rapidinha.....é amor!!! E depois já não é, no fim de pagar....
Couves a 18 de Janeiro de 2005 às 18:08

gostei muito deste texto, tens bastante vocabulário :) continua.. bjs ******
k4r1n4 a 18 de Janeiro de 2005 às 17:29

mais sobre mim
Janeiro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

21
22

23
25
26
27
28
29

30
31


arquivos
2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO